A degradação dos pequenos países e o TTIP

A alemanha tem sido o maior beneficiário da criação da UE e do alargamento de fronteiras:

“a liberalização de fluxos de bens e serviços entre a UE e o resto do mundo, o alargamento a Leste e naturalmente a União Económica e Monetária,isto é,o euro. A liberalização dos fluxos comerciais proporcionou à Alemanha, por um lado, o acesso mais fácil dos seus bens e serviços de exportação aos mercados globais, nomeadamente dos chamados países emergentes e, por outro lado, o acesso a componentes e produtos manufaturados baratos de proveniência global. No conjunto, isto significou mais mercado para as suas exportações e importações mais baratas. O alargamento a Leste, com a integração na UE de estados vizinhos da Alemanha, proporcionou à economia alemã uma mão de obra qualificada e relativamente barata, que passou a estar integrada nas cadeias de produção dos sectores exportadores alemães por via da aquisição de empresas ou subcontratação.
[…]
A liberalização de fluxos de bens e serviços entre a UE e o resto do mundo,o alargamento a Leste e a adesão ao euro afetaram as economias “periféricas” da zona euro (Grécia, Portugal, Espanha e Itália) de um outro modo: tornaram as suas indústrias tradicionais vulneráveis, sujeitando-as a uma concorrência acrescida nos mercados externos e internos, e desviaram os fluxos de investimento estrangeiro.(relatório da Iniciativa para uma Auditoria Cidadã à Dívida).”

A Alemanha passou de um défice corrente em percentagem do PIB de – 1,7 em 1995 para um saldo positivo de 7,5 em 2007. A Grécia e Portugal viram os seus saldos degradar-se (Grécia: de -2,18% em 1995 para – 14,6% em 2007; Portugal de -2,7% para -10,2%), segundo o relatório da Iniciativa para uma Auditoria Cidadã à Dívida.

Esta questão é sobretudo pertinente num momento em que está em discussão e vias de aprovação o TTIP (tratado transtlântico) que irá facilitar a entrada de empresas norte-americanas no europa, em condições muito duvidosas e muitas vezes discutidas à porta fechada. Apesar de já ter sido denunciado por muito grupos de cidadãos continua em marcha, mais uma vez para servir os interesses de economias bem estabelecidas e enfraquecer as outras (como a nossa). A recolha e assinaturas continua em marcha até Outubro. É urgente assinar e salvaguardar os nossos direitos.

Advertisements

3 thoughts on “A degradação dos pequenos países e o TTIP

  1. Não percebo como todos estes factos continuam a ser ignorados por ditadores autistas.
    A única explicação é que o ditador-mor seja a Alemanha que lucra escandalosamente com esta situação.
    Tenho alguma esperança que os cidadãos comecem a acordar…

    • Tenho dúvidas que as pessoas acordem. Na verdade já foram assinados e aceites tantos acordos que na altura foram denunciados, reclamados… Como a imposição de cotas na agricultura e pescas em portugal, por exemplo… Que nos tornou importadores dependentes. Ou a abertura de fronteiras a leste, que destruiu a nossa indústria têxtil.

      Eu acho que quem toma estas decisões está doente. São pessoas com objectivos controlados por uma sede de poder e de dinheiro (tal e qual como o jogador compulsivo, completamente viciado e que não se consegue tratar – um dia os capitalismo vai ser considerado doença :D ).
      O TTIP é só mais um jogo perigoso. As empresas norte-americanas vão entrar por aqui adentro com poder legislado para fazer coisas como “processar estados por terem leis que as perjudicam”. Preto no branco será algo assim. E é claro que não vão chatear os estados amigos, mas sim os desgraçados. Nós fazemos parte da lista.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s